ALMA NA ARTE DA POESIA


TEMA: VESTIR DE ADEUS

Edição: Maria Thereza Neves
Arte e Formatação: Ana Ridzi

*****

Abertura

Vestir de Adeus é um momento
em que a noite não traz consolo
o dia acorda gotas de saudades...
as lágrimas desenham emoções
em rendas que cobrem a dor,
o amor que partiu,
o castelo dos sonhos que ruiu...

Drummond, escreveu:
"seria como último dia de um tempo
não o último dia de tudo.
Ficaria sempre uma franja de vida
um corpo e sua memória,
um olhar e seu brilho,
uma voz e seu eco..."

Outubro de 2010
Maria Thereza Neves

****
 

Poetas presentes:

Marlene Costantino/Eda Carneiro da Rocha/Humberto-Poeta/Cibele Carvalho/AnnaPaes/ Katarina Madeira/Lúcio Reis/Elane Tomich/José Ernesto Ferraresso/Penhah Castro/Ceres Marylise/Nara Pamplona/Itana Goulart/Maria Luiza Bonini/ Ruth Gentil Sivieri/RozeAlves/ CelinaMiranda/ZenaMaciel/NídiaVargasPotsch/MariaTomasia//Naidaterra/TekaNascimento/ Humberto Rodrigues Neto/Tarcísio Ribeiro Costa/Marilena Trujillo/Marly Caldas/Amália Lopes/Ógui Lourenço Mauri/Luli Coutinho/Soni@Pallone Auber Fioravante Júnior/Graça Ribeiro/Maria Thereza Neves.
 

 

NÃO SE VÁ !
Marlene Constantino

Um anjo
partiu vestido de adeus!
Um grito rouco,
um clamor louco ecoa...
Um gemer dolorido
do meu peito escapa...
Do olhar vazio
tormentosa onda rola ainda.
Um anjo
despediu-se feito ventania.
O peito aflito
custa suportar, ver lá adiante,
o lenço branco acenar combalido.
O mar na garganta
agiganta, geme, estremece
e, o que era pra ser
um murmúrio soa gritante...
"Um anjo
partiu vestido de Adeus"

26/09/2010

****

Vestir de Adeus
Eda Carneiro da Rocha

Vestir-me de Adeus
Não, não me vestirei de Adeus
Antes te amar, esquecer da despedida!

Não a quero, sei quanto vou sofrer,
com esta nova vestimenta do Adeus
que me arranca a alma e com ela chora!..

Mas, se for mesmo, preciso me vestir de Adeus!
Farei uma nova fantasia que me esconda o coração
pois sem ti, já não vivo mais não!

Eda Carneiro da Rocha
" Poeta Amor"

****
ADEUS, TRISTEZA!
Humberto - Poeta

Ah... vai, tristeza, deste peito embora,
deixa-me só, comigo mesmo, agora,
e ameniza, por Deus, este cilício!
Não mais me obrigues a sonhar com ela,
leva-lhe os ais que me restaram dela
e os prantos deste cármico suplício!

****
Vestida de Adeus
Cibele Carvalho

Vestida de adeus
ela se foi, de repente,
sem que houvesse um olhar
a mais, trocado entre a gente.

Deixou, para trás, os seus medos,
o seu temor mais profundo.
Levou, consigo, os segredos
que ocultou, deste mundo.

Onde estará, agora?
Não sei onde, mas, na certa,
num lugar qualquer, em paz.
Enfim, tranquila, liberta.

RJ,27/09/10

****
Vesti-me de Ti
Anna Paes

Teu adeus cobriu-me a nudez da saudade
Vestimenta molhada de lágrimas, pesada
Impedia-me o caminhar flagelado

Esqueci-me de mim!
Carregava teu olhar sobre meus ombros
Teus beijos em meus lábios
Tuas palavras sobre o coração, oprimiam-me

Um adeus!?

Pensamento inconformado, dor dilacerante!
Onde foi parar o cordão que nos unia?
Virou cetim, vestiu-me para um festim fúnebre!

27/09/2010
Brasília - DF

****

Alegre Despedida
Katarina Madeira

Hoje vou despedir-me do tempo,
das histórias, dos fantasmas
Vou voar com o vento
E libertar-me das amarras

Hoje digo adeus à tristeza,
aos sonhos perdidos, às angustias vividas
Deixo na estrada a incerteza
das dores por mim consumidas

Hoje é dia de despedidas
mas sem lagrimas, nem choros
Do meu ventre são despidas
todas as mágoas e agoiros

Hoje vou deixar as águas do mar
levarem para a imensidão
Toda a dor que ainda restar
Dentro do meu coração

Hoje é dia de alegria,
de felicidade e folia
Quero que este seja o dia
onde eu serei a magia

Quero ser ave e voar
Ser sereia no meu mar
Ser feliz e sempre amar
Tudo e todos neste andar

****

Vestir de Adeus
Lúcio Reis

Figurino completo e irretorquível
Tristeza, solidão imagem inesquecível
Olhar perdido no nada da imensidão
E só porques pergunta o coração

A razão do abandono e da partida
Da relação o desnudado de sentimento
Sem pelo menos um broche a falar querida
Relembrando as ternuras de cada momento

Deixou apenas o aroma da paixão
O perfume que enfeitiçou
Transtornando cada carinho em louca ação

E quando as lágrimas vestiram o abandono
A indumentária mostrava o baile insano
O vestir de adeus, não deixa nenhum engano

Belém do Pará
28/09/10

****
VESTIDA DE ADEUS
elane tomich

Assim vestida de adeus
enfrento esta correnteza
que não se enquadra entre os tantos
preferidos gestos meus.
Eu, que de adeus adoeço
misturo todos acenos
em até breves amenos.

De ser avessa às certezas
misturo fim e começo
faço o passado ausente
e me tranco a sete chaves
em reuniões e conclaves
com que moldo o futuro
como se fosse presente.
Assim vestida de adeus
perco-me em iguais defesas
tantas de toda gente
e quando alguém se vai
eu sinto, uma vez mais,
que sou eu a grande ausente.

t. otoni, 09 / 2010

****

O ÚLTIMO ADEUS
José Ernesto Ferraresso

Vago na noite fria
admiro os arranha-céus,
estou só
não consigo pensar...

Olho para os lados,
tudo é estranho,
não me reconhecem,
estou ao léu.

Em solilóquios, reclamo,
quero gritar, não consigo,
sufocado,
eu grito para dentro.

Foi triste,
desespero-me ,
sinto sua falta,
não consigo aceitar
este seu último adeus .

Serra Negra


****
A HORA DO ADEUS...
by Penhah Castro

Quando chega a hora do adeus
as lágrimas caem torrencialmente
como lavando mágoas,
como lavando sofrimentos...
Mas do outro lado da dor
sempre há um sentimento de amor...
Nos cobramos o que não fizemos...
Vem a lembrança de um olhar de dor...
E, nesta hora nada se pode fazer
a, não ser, apenas dizer
Adeus até a eternidade...
Mas todos temos uma missão
e, precisamos cumpri-la
até o fim
com humildade,
mas sempre aprendendo
com auto conhecimento...


****
TODOS OS MEUS DIAS
Ceres Marylise

Retornas à minha mente após longo recesso
e nasce um leve pranto, talvez de nostalgia.
Tento romper de vez o mal desse regresso
e recuso-me a aceitá-lo em tenaz rebeldia.

Fraqueja meu sentir e minha força é o verso
a desnudar meu silêncio, fiel melodia,
que conduz e arrasta todo o retrocesso,
vai-e-vem de incertezas e melancolia.

Brisas vêm enxugar algum resto de pranto,
luzes chegam e reclamam carícias que faltam,
mas cansada de amar-te, faltou-me energia.

Agora, sem amarras, meu vôo levanto
e empreendo a viagem enterrando agonias
ao sentir que te esqueço, todos os meus dias.


Ceres Marylise

****
SEM ADEUS
Nara Pamplona


Viagem inesperada e doída
Sem possibilidade de retorno
N'uma noite iluminada pelas estrelas
Em plataforma fria e vazia...

Partiram-se pedaços de mim
Estufetados e soltos ao léu
Buscando rotas, caminhos a seguir
Em desvario atormentando a alma...

Recordações de lindos momentos,
Jungiram esses pedaços não perdidos,
E meu coração negou-se ao adeus
Vestido com memória de pleno amor!

Rio, 28/09/2010

****
VESTIR DE ADEUS
Itana Goulart

Costurei rosas para vestir
Usei jasmim como perfume
Me iluminei com vagalumes
Joguei fora as alianças
Não quero guardar lembranças
Rasguei os retratos teus
Estava pronta para o adeus...

RJ,29/09/2010

****
VESTIDA DE ADEUS
Maria Luiza Bonini

Vesti-me da mais triste negritude
Que se usa nas derradeiras partidas
Intencionando abandonar o dom da vida
Naquela madrugada, de soturna solitude

Vesti-me com a coragem que não tinha
Para por fim ao que me era tão caro
Que provia meu ser d' um alimento raro
Com inebriante aroma da mais pura vinha

Vesti-me com o manto das mais lindas flores
Como a primavera, que sempre retorna em cores
Para que minha imagem, assim, permanecesse em ti

Vesti-me de adeus para extirpar a insuportável dor
De viver meus dias, na adversa distância do amor
Ato consumado, teu pranto de amor_ junto a mim_ ouvi

Maria Luiza Bonini

SP. 29.09.2010
****

Morto esse amor...
Ruth Gentil Sivieri


Nem o sonho ficou, pois já morreu;
Logo eu que acreditei te amar um dia,
Mesmo sendo quimera, fantasia,
Nenhum resto de amor sobreviveu.

Meu coração há muito pressentia
Por dores e agonias que sofreu,
Que tudo entre nós dois terminaria
Qual de nós foi culpado? Tu ou eu?

Minha esperança dei como perdida,
Pois só agora entendi que é desfeito
Que a hora triste chegou, sempre é assim...

Como é contraditória nossa vida...
A dor não é somente no meu peito,
Hás de amargar também o triste fim...

****
Vestir de Adeus
Roze Alves


Como poderia acreditar?
Era Primavera, o amor no ar
Notei sim teu olhar nublado
Perguntei-te, ficastes calado
Tolo amor que nos faz cegos
Perdi-te sem nada ter notado
Sumistes, dizimastes meu ego
Levastes sem dó tudo de teu
Lágrimas rolam, me desespero
De luto, irei me vestir de adeus
A causa? Meu amor que morreu

Amanhecer-M
RJ: 30/09/2010

****
ADEUS!
Celina Miranda.

Porque eu fui te amar!
Minha alma flutuava
Como folhas ao vento
Como calar este sentimento
Meu coração te chamava
Para poder te amar...

Quando não podia gritar!
Escrevia minhas intensas
E ternas poesias
Onde me fazia poeta
Para ser tua poesia...

Mas tu não vieste para ficar!
Brincou com os meus sentimentos
Não pensou no meu sofrimento
Fez-me sonhar
Com suas juras de amor...

Tu não me escutaste!
Porque me enganou
Se nunca me amou
Só me restou te dizer adeus...

30/09/10.
SC.

****
Sinfonia do Adeus
Zena Maciel

Vida torta
Flores mortas,
feridas e magoadas.
Estupradas e machucadas
jamais serão ressuscitadas.
O vento leva o perfume
O tempo devolve o queixume
com choro e desalento
A dor fica ao relento
e o amor dorme nos braços
do céu do esquecimento
Sob o véu de estrelas apagadas
a alma embriagada sofre
O coração cativo e sem norte
beija a triste sorte
Bebe lágrimas carbonizadas
com o gosto de solidão.
A primavera foi antecipada.
A morte foi anunciada
ao som de harpas e clarins
pelos tristes querubins,
que solfejavam lânguidamente
assim:
Ai!de mim!
Ai! de mim!
A história chegou ao fim.

Recife-PE

****
Vestida de Adeus...
Nídia Vargas Potsch


Na aurora dos tempos
singrando nas sombras da noite,
como se mar tenebroso o fosse,
e neste hábito monstruoso
que envergamos chamado adeus,
nesta melancolia imorredoura,
ficaram retidos na lembrança
tépidos e tristes momentos,
que ligeiros como o vento da esperança,
passaram rapidamente,
numa saudade louca e desesperadora,
pelos meus lábios sequiosos,
que receberam
a sensação doce e indelével
do seu último beijo...


@Mensageir@
RJ.2010
****

VESTI-ME DE ADEUS
Maria Tomasia

Naquela manhã outonal,
Quando de casa saiste,
Não sabia que, de adeus,
Eu me vestiria, triste.

Saiste batendo a porta,
Porque à festa não irias.
Palavras ásperas me dizias,
Deixando-me como morta.

Mal poderia imaginar
Que sua voz não mais ouviria,
Que irias para não voltar
Para eu, em meus braços, te apertar.

Tu partiste para outro lugar
E só restou-me tristeza e saudade.
Mas, um dia, ao nos encontrar,
Brindaremos a felicidade.

****

ADEUS
Naidaterra

Vesti-me de adeus e superei a dor...
Adeus aos toques, aos beijos,
as juras e aos teus olhos
que tanto amei...
Quisera eu poder dar poder
a essa minha vestimenta e,
dizer adeus aos sonhos, as emoções
e as doces lembranças que,
fatalmente farão moradia eterna
no meu coração...

****

Vestida de Adeus
Teka Nascimento

Nesta noite linda por estrelas iluminada.
Esperei-te feliz com muita emoção.
Vesti-me de carinhos nesta madrugada .
Para amar-te e entregar-te meu coração.
Passaram-se horas e eu a te esperar.
Lágrimas brotaram nos meus olhos.
Lindamente vestida em raios de luar.
Compreendi teu silêncio e a tua ausência.
As estrelas começaram a se apagar
A lua lentamente recolheu-se na sua cadência.
Olhei-me e entendi que estava vestida.
Simplesmente para te dizer Adeus.


L.Pta.07/10/2010
****

Sombra Sou ...
(À minha esposa, in memorian)
Humberto Rodrigues Neto

Mera sombra ora sou do que fui antes
nos meus constantes risos de euforia,
quando inda ouvia as notas fascinantes
dos farfalhantes guizos da alegria!

Meus tempos d'ouro são saudade agora
que não vai embora e fica aqui comigo
como um castigo que me desarvora
e no qual chora a dor que ao peito abrigo!

Ontem sorrindo... hoje a curtir a dor,
só vejo horror por onde a vista pousa...
só a fria lousa me restou do amor
daquela flor que foi a minha esposa!

*****

TRISTE ADEUS
Tarcísio Ribeiro Costa

Foi um adeus que rompeu
um sonho de concretizar
o meu tão grande amor,
hoje vivo cheio de saudade
mas ainda resta esperança...
Ai como gostaria
da volta do meu amor!
Só assim livrar-me-ia
e liberta-ia dessa dor.

****
Vestindo-me de Adeus...
Marilena Trujillo

Baila nos recônditos da alma... a despedida.
Levo no peito trechos de uma bela história...
Notas repetidas de uma canção tão bendita...
Que jamais... poderei apagar da memória!...

Foram tantos verões e invernos de amor...
Paixão ardente... beijos... promessas e juras.
Hoje, na clausura tento expurgar a minha dor...
Lavando com lágrimas todas as desventuras...

Vou como quem morreu cedo sem saber...
Caminhando sem rumo certo... sem porto...
Andando... respirando... vivendo por viver...
Buscando uma mão amiga... um conforto....

Pressinto um rosto que jamais poderei ver.
Um olhar... que nunca mais irá o meu fitar...
Grita... geme e se debate... todo meu ser...
Mergulhado num rio... sem poder ancorar.

Tanto me dei... o melhor de mim entreguei...
Era tudo tão belo, tão perfeito, tão concreto...
Sequer notei.. que deixei de existir, me anulei!
Aceitei do sofrimento o desumano decreto!...

Visto-me de adeus... da inadiável partida...
Escondendo do mundo tão dolorosa ferida.
Nada espero, nem atenção, nem guarida...
Chegou o dia... tudo tem um fim nesta vida!
Mary Trujillo
14.10.2010

****
Adeus machucado
Marly Caldas

Foi um adeus tão machucado
Que sangrou num corte profundo
Quase se tornou uma hemorragia
Precisei dar muitos pontos
No meu sofrido coração
Antibiótico
Para não virar infecção
Fiquei em repouso
E assim se passaram os dias
Mas esse coração é forte
Resistiu dia a dia
Até que após um tempo
Tirei os pontos
Estava pronta enfim
Para outra trombada
Outra pancada
Pois a vida é assim...

****

VESTIR DE ADEUS
Amália LOPES


Vesti-me de melodia e esperei o teu adeus
voltei tão só como a janela que te viu partir
na fresta da porta gritei teu nome
mas isso que importa
se longe oiço acordes de violino
o violino dum cigano
que ontem me jurou
a paixão
do teu adeus…


Sou melodia em tarde calma
cabelos ao vento da calmaria
e no teu adeus me quero perder e
encontrar…meu amor………………

………….. AMOR DE MIM……..


****

Foi um sonho...
Ógui Lourenço Mauri

Pra ele, era bom demais pra ser verdade;
Mas, infelizmente, não passou de um sonho.
Sustentar com ela um romance risonho
Foi típico engodo de felicidade.

Ela disse-lhe adeus no apogeu do sonho,
Quando os lençóis já em pleno desmazelo.
Ele viu o sonho virar pesadelo
E sentiu-se, do mundo, o ser mais tristonho.

Foi um adeus doído, que fez sangrias
Num coração reservado só pra ela.
Foi um adeus a quem só gostava dela,
De corpo e alma, forjando fantasias.

Deu-se, no epílogo do lindo romance,
O desfecho cruel que ele não queria.
Aí, o amor dela já não existia,
E o sonho dele pôs-se fora de alcance.

Ficou revestido de adeus o organdi.
Sair dos braços dela, chegara a hora.
Nada lhe restou, a não ser ir embora,
Derrotado, infeliz e fora de si.

Ela disse adeus e ele ficou calado.
Fecharam-se as cortinas, caiu o pano.
Fica a esperança de que, num outro Plano,
Um lindo ato de amor seja retomado.

Ógui Lourenço Mauri
Catanduva (SP), 19/10/2010


****

Vestir de Adeus
Luli Coutinho

Houve um frio de orvalho no rosto
Nos dias que se passaram o agosto
Mal pude acreditar nas nuvens escuras
Na sorte oculta do sol, ausente as alturas

Esperei a nuvem branca do dia
Ah, como esperei!
Foram dias e dias que amargaria
Nem sei como a dor suportei

Sabia que tudo te lembraria
Os pingos da chuva na janela
Os arrulhos dos pássaros, a calmaria
Nas pequenas coisas, na quimera

Minha dor mostrou meu choro morno
E sem qualquer palavra fora o adeus
Tanto tempo! Distante dos mares densos
Não há mais frio de orvalho no rosto

Guardei teus olhos de amor
Mais nada restou dessa paixão de dor
Coração exangue, sem corpo e desilusão
Tanto amor vestir-se de adeus?

19/10/10
São Paulo - SP



****

Adeus, apenas...
Soni@ Pallone

"...Na hora de romper as correntes,
entre a indecisão de partir ou ficar,
a piedade na balança
era tão crua como um amor ruim...
Não havia em mim,
o menor pedaço de ternura
chorando pela morte anunciada
daquele adeus...
Antes de ir, definitivamente,
como se apagasse uma vela,
soprei a pequena flama
dos dias que ficariam para trás..."

****
Vestir de Adeus
Auber Fioravante Júnior


Não existe sedução
Sem o vestir do adeus!

Adeus à roupagem
Envolvendo a pele,
A luz do dia que ficou no crepúsculo
Beijando as águas de então!

Adeus ao pudor
Querendo difamar o instante,
Não deixar o profano
Ser a beleza por ocasião!

Adeus à poesia
Que não vem de dentro,
A prosa sussurrada em apelos
Entrelaçados a emoção!

Adeus ao pecado
Longe d’alma,
Do verbo sem insanidade
Julgados pelo linear da paixão!

Adeus ao amor,
Sem as maravilhas
Encantadas pelos preitos
Da sinfônica da oração!

20/10/2010
Porto Alegre - RS


****

Vestir de adeus
Graça Ribeiro

Um amor quando se veste de despedida
Quebra a sintonia do tempo
e a vida esquece a poesia

Um amor vestido de adeus, meu Deus,
é triste como uma noite escura
no meio da eternidade

Um amor despido de continuidade
fere a alma, corta o riso,
até que venha outro amor
e o ciclo se reinicia
como versos brancos de outra poesia

****

Vestir de Adeus
Maria Thereza Neves

Um aperto que machuca
a saudade invade a alma
abre a noite povoada de lembranças
naquele vestir de adeus
difusas silhuetas vão fugindo ...


O instante é de pura nostalgia
sem a estrela, a lua que sorria...
vermelho e rendas não combinam
troco por roxas cores
um par de brinco de lágrimas.

Percorro tapetes de versos em
passos lentos, ventos dos tempos
aromas de sonhos perdidos
poesias sem rimas e rumos
fecho todas minhas portas ,
vou embora...adeus.

28/10/2010

****
Outubro de 2010
Grupo Alma_Arte de Poesia
http://www.lulicoutinho.com

 

CRÉDITOS

TUBE
NARA PAMPLONA

ARTE E FORMATAÇÃO
ANA RIDZI

MÚSICA
SARAH BRIGHTMAN
TIME TO SAY GOOD BYE

 

 

 

 

Voltar