O Grupo Alma_ArtePoesia Homenageia,
 
o Dia Nacional da Poesia!
 
14 de Março de 2011.
 

 
 
 
Meus Versos
Luli Coutinho


Os versos que escrevo são teus
São minhas as emoções pelos teus
Em sonhos crio-os em rara imagem
É o doce enfeite dessa paisagem.

Nos versos a minh’alma desnudo
Revelo um segredo outrora mudo
Num retrato esmaecido de amar
Que agora empenho em retocar.

Meus versos antes ditos sem valor
Hoje feitos ao prazer do meu silencio
Brotam flores em nácar cheios de amor
Envio-os a ti por nuvens claras ao vento.
 
São Paulo - SP

 
 
 
meu poetinha querido
que tanto amo e admiro
foste para o andar de cima
mas tantos poemas deixaste
que me encantam
me inspiram
me deliciam
então para ti
Vinícius querido
dedico esse versinho medíocre
te pedindo perdão
por essa audácia que saiu do coração...
 
marly caldas
rj-14/03/11
 
 
 

 EM TUDO VEJO POESIA
 Maria Luiza Bonini



Vejo  poesia em meu caminhar
Nas nuances mais belas a me encantar
Nas paixões ou nas ternas manhãs   
No andar sereno e leve de uma anciã 

Nos turbilhões que ferem e aterrorizam
No calor do sol à solidão das madrugadas
Aos implacáveis soberanos  pobres desalmados
Que pelo mal se conduzem e nos afrontam

A criança a mendigar o pão, nas ruas
Ao amor que dita as falas minhas e tuas
Aos momentos de ternura que extasia
Em tudo,  meus olhos lêem poesia

São Paulo/Brasil
 
 
 
 
  Alma do Poema

Maria Thereza Neves


Semente de sonhos adubada,
Ternuras na alma do poema,
Que desvenda janela lacrada,
Rompendo sombra e algema.

Espalha raízes de magias...
Sobe topos, pula cancelas,
Desliza suave em maresias,
Desce arrastando estrelas.

Arranca do solo as entranhas,
Abre-se nua, sinuosa e faceira,
Lenta, percorre montanhas.

Veste o sol com a sua própria gema,
Levanta poeiras, voa, acorda a lua,
Acende fogueiras, apaixona e ama!
 
 
 
 
A Amiga de Todos os Versos
Auber Fioravante Junior
 
 
 
Olá, folha sem pautas!
 
- Já era hora, meu amigo poeta
Preciso Do Seu Pranto
Inundando-Me Com O
Romantismo Que Lhe Brota
À Flor Da Pele, Quero Ser Parte
Desta História Bucólica, Contada
Em Zil Palavras, Uma A Uma
Petalada Em Sua Alma!
 
Pois bem, branca folha!
Vou Lhe Mostrar Em
Quintas E Vinhedos,
A Águia Sobrevoando
As Montanhas, O Morango
Desabrochando No Campo,
O Sol No Crepúsculo Maior!
 
- Amigo poeta,
Encante-me ainda mais!...
 
Ah! minha amiga da escrita,
Visualize Em Seu Âmago,
A Diva Em Seus Longos Vestidos
No Balé Dos Trigais, A Mulher
Dos Voadores Tecidos, 
Erguendo Por Giros E Rodopios,
A Clave Da Melodia Paixão!
 
- Poeta amigo,
Seu coração ainda canta, continue!
 
Enfim minha amiga das letras,
Sinta Em Suas Páginas
A Lua Em Seus Raros Botequins
Alumiando Meu Semblante,
Tocando Fundo Nos Violinos
Que Recitam O Amor
Em Todos Os Dias,
Em Todas As Noites,
Em Todas As Formas
Que Uma Lágrima Pode Exaltar!
 
 
 
 
Versos
nus n(um)o
Dia Internacional da Poesia
Francisco Coimbra
 
teus são os versos que escrevo
viajando das emoções ao mundo
e de toda a gente a quem devo
toda a partilha onde me fundo
 
tenho uma alma nua e diáfana
viajando no tempo a tempo de ir
ao encontro do momento ufana
faz da beleza este seu sorrir
 
corpo vivo sem lhe dar valor
desafio no silêncio nu diálogo
onde todas as coisas do amor
se deixam contagiar por algo
 
 
 
 
O Versejar do Poeta
Nídia Vargas Potsch
 
 
 
Mansa é a noite
em que as lembranças são doces...
E o Poeta viaja em sonhos,
em sua fantasia cria mundos,
inventa situações,
brinca com as palavras,
retrata o novo, o banal, o inusitado...
Faz da saudade uma incógnita,
remexendo com os sentimentos alheios
e revolvendo suas próprias recordações...
Desvenda sua alma de sensações fragmentadas
como retalhos de uma colcha velha e inacabada,
que só se completa na imaginação
de quem o lê e compreende...
Porque o Poeta se vai,
mas sua poesia, permanece eterna!
 
 
@Mensageir@
 
 
 
 
DIVAGA MINHA POESIA!!!
José Ernesto Ferraresso 
 
 
Divaga minha poesia, por terras longínquas,
carrega ilusão magia e mistério,
descobre um íntimo para aportar,
um coração magoado para afagar.
 
Inspira o poeta para interpelar,
procurar respostas no seu divagar, 
descobre palavras para transcrever,
o que ele quer versejar, para todos compreender.
 
Discorre sonhos, magia, amor  e solidão,
saudade de alguém errante,
que partiu para terras distantes,
e machucou algum coração.
 
É na poesia o seu refúgio,
seu aparato e  conclusão,
nos versos que ele escreve,
encontramos  compreensão.
 
Usa magia... para distanciar  a tristeza,
mistério... para desvendar a razão,
alma... para falar de beleza,
escrita... para afastar a depressão.
 
Nunca está sozinho,
gosta de contemplar a visão,
percebe que sua companhia,
está no horizonte e na ilusão.
 
Pede para a poesia lhe acalmar,
dar forças para prosseguir,
encontra nas rimas solução,
para dar a vida ao seu poetar.
 
Serra Negra
14/03/11
 
 
 
 
 ALMA DE POETA

Eu  queria saber por que dizes
que poetas só escrevem quando tristes.
Poesia é a vida!
Às vezes desbotada, outras colorida,
às vezes ilusão, outras tantas fantasia...
Poeta tem sentimentos que lança aos sete ventos,
tem amores, luzes, cores, as ondas verdes do mar,
a pureza das fontes, o esplendor do luar...
Seus versos tem sempre um dono!
Sejam eles  a sombra do que sente o coração,
ou mesmo o som vibrante de uma doce canção,
as palavras vão fluindo para o verso engrandecer,
deixa o compasso das rimas por suas mãos escorrer...
Sempre encontra motivos para uma nova poesia!
Depois? Depois, torna-se dela o lutador prisioneiro,
onde a caneta é sua espada e ele um nobre guerreiro!
Diga-me então... Por que ?
Por que seria tristeza a inspirar toda beleza,
que limita um poeta simplesmente escrever ?

Eliana (Shir) Ellinger

Hazorea- IL

 
 
 
 Meus Versos
Lúcio Reis
 
 Tento compor para tocar
A sensibilidade de seu ser
Como o sei um ente diferenciado
Meu intento não será alcançado
Pois não detenho o dom do poetar
Para poder saber onde encontrar
O verso que rimara com o seu amar
Não fico triste por essa deficiência
Pois sua inteligência
Saberá ver e encontrar
No meu objetivo a intenção
De chegar perto de sua alma
Mesmo se apenas alcançar seu coração
Receberei como doação
A medalha de seu sorriso
Que por certo minha mente acalma
E sentir-me-ei por isso
Agraciado e meu objetivo alcançado
 
Belém do Pará
14/03/11
 
 
 
 
SUA POESIA POETA
Naidaterra


Sua poesia poeta,
fala de amores idos como
flores que o tempo não seca...
Sabe como erguer no silêncio,
um templo de amor onde canta teus
sonhos dourados e verseja à beleza
do mundo e à beleza da vida...
Assim vive meu poeta querido
entre as paisagens serenas todas
molhadas com seus doces beijos...
Numa fusão de cores e linhas,
surge o perfume e o som,
meu êxtase... meu encanto...
Contigo aprendi a cantar o amor,
sonhar com caminhos longos sem
ter medo de me apaixonar quando
o coração perde a razão...
Poeta querido, nunca deixe
de poetar, és o meu
luzeiro..
 
 
 
 
PORQUE SOU POETA
Sá de Freitas
 

O meu viver em si, já é poesia...
Mesmo que haja sofrimento e pranto,
Abafo o soluçar com o som de um canto,
E transformo a tristeza em alegria.

Talvez por isso é que nasci poeta,
Para ver tudo lindo em meu caminho...
Para que, mesmo se estiver sozinho,
Eu, de sonhos, povoe a alma inquieta.

Por ser poeta eu vivo bem a vida,
Pois nas horas de dor busco guarida,
Nos recantos sem fim da Natureza.

Nessa existência, tão confusa e incerta,
Se eu não fosse esse feliz poeta,
Já teria morrido de tristeza.
 
 
 
Samuel Freitas de Oliveira
Avaré-SP-Brasil
 
 
 
 
Fazer Poesia
Marilena Trujillo


Fazer poesia é dedilhar a vida e seu enredo...
É perscrutar intimidades, mistérios e segredos.

O coração do poeta é um vulcão em erupção...
Expelindo amor... alegria... dor e decepção!

Fazer poesia é descrever emoções em capítulos,
Fazer das lágrimas rimas de um poema erudito.

O poeta traz nas veias uma emoção incontida,
De dias felizes e de muitas noites mal dormidas...

Fazer poesia é amar demais, é voar suavemente.
Sofrer e, ainda assim, escrever versos ardentes...

O poeta traz no âmago o mais puro sentimento...
Lamenta ver no mundo tanto ódio e sofrimento.

Fazer poesia é sacerdócio... é missão... religião,
É viver em êxtase e perdoar em profusão...

O poeta nem sempre encontra a felicidade...
No peito... quase sempre, carrega uma saudade!

Fazer poesia é prever o futuro, recordar o passado.
É descobrir que o poeta... é um eterno apaixonado!
Mary Trujillo

Respeite os direitos autorais
 
 
 
 
O POETA  NA PRAÇA
 
Luiza Porto
 
 
O poeta chega a praça
declama versos...Fernando Pessoa
encanta.
 
Declama seus próprios versos
para a musa preferida
a eleita...Perfeita.
 
Da janela, Carolina
tenta saber
se é a musa do poeta solitário.
 
E o poeta, talvez
pense em Rosa ou Açucena
para declamar os seus poemas.
 
Para ele todas são belas e perfeitas.
E Carolina, continua na janela
a inspirar outros poetas.
E um dia, ser a musa eternizada.
 
 
 
 
O SER POETA E A VIDA
Anna Peralva
 
 
 
Como o poeta lê a vida?
Ele consegue ver o tempo
em suas formas diferenciadas.
Sua inspiração é a lida
que sempre é renovada,
ele que o diga!
 
Conhece da carne as fraquezas
e luta tenaz pela evolução
pois sua essência é fortaleza.
Sabe que somos parte do todo
e não se entrega ao ócio,
como faz o ser fugaz e tolo!
 
O ser poeta desnuda a alma
deixando fluir rios de sentimentos.
Em águas transparentes e calmas
vai traçando versos-momentos,
unindo metades que o completa.
 
Segue cantando tristezas e dores
para não amargar em ressentimentos.
Acorda a esperança que ontem partiu
e acredita sempre em novas auroras.
Espalha emoções ao frio do relento...
Na magia primaveril da poesia se ungiu
e no aflorar noturno dos sonhos, renasce!
 
 
 
 
Poesia
Mercília Rodrigues
 
 
És companheira dos sonhos
adormecidos,
enriquecidos,
livres, soltos!
Chora a saudade,
Ri-se nos ventos revoltos
que passam em velocidade,
 Levam-te, poesia, entre seixos,
da linha do tempo,
 sem cor,
sem rumo !
Pousa na mão do poeta
e ali espalma,
extrai, 
sulca-lhe a alma .
Derrama-se em versos
dispersos...
Põe fim no ato
do sonho que se fez poesia, 
e ao homem fê-lo poeta!
 
 
 
 
 
Sou poesia
Tarcísio Ribeiro Costa
 

Poesia,
bradar da alma,
tristeza,
dor,
nostalgia,
Silêncio,
sonho,
calma,
Incerteza,
riso,
alegria.
Procura, esperança, dor,
quimera, sonho, fantasia,
Soma de versos,  poesia,
busca perene do amor...
Toque divinal, poesia,
dom de Deus, benção
E privilégio da estesia,
Acalento, alma, coração...
Afago à mulher amada,
sofrimento da saudade,
Sem amor, nada é nada,
crueza da verdade...
 
Sou poesia...
Na cortina da aurora,
No eclodir do novo dia,
No oposto dos ponteiros
No soar da Ave Maria.
No voar do passarinho,
Na procura de um calor,
No aconchego do ninho.
 
Onde está o seu amor,
No embalo da ternura
No jardim, nas suas cores,
No sonho e na realidade,
No aroma das flores.
Quando me encanta um flor,
Na ausência que me dá saudade,
Quando me lembro do meu amor,
No segredo dos meus sonhos.
 
Sou poesia
Nas carícias da brisa,
Na cadência dos meus versos
Na tristeza, na dor, na alegria,
Nas minhas contradições,
No ritmo da poesia.
 
Tarcísio Ribeiro Costa
 
 
 
 
Poesias
Vanderli Granatto
 
 
Poesias são brilhos, irradiam emoção surreal.
Caem do céu, nascem na alma,
  nos envolvem com ternura angelical.
Inspirações iguais canções,
que chamam a entoar as consagrações.
Solenemente acordes belíssimos
se achegam e prendem a atenção.
No comando, o pensamento rege o verso.
Pelas noites, madrugadas versejam
sonhadores, poetas, entusiastas da arte,
dando guarida a sonhos diversificados.
Emanam os frutos adocicados da alma,
nos momentos de puro êxtase, que os acalma.
Anjos descem do céu e anunciam
o extravasamento da melodia.
O peito se enche de emoção,
dilúvios de boas energias grafam as letras.
Poetas em perfeita sintonia
com o universo dos versos,
elaboram obras magnânimas,
que engrandecem e enaltecem corações.
Poesias são brilhos, irradiam emoção surreal.
Caem do céu, nascem na alma,
   nos envolvem com ternura angelical.
 
Vanderli
30/07/2008
Botucatu/SP
 
 
 
 
DENSIDADE POÉTICA...


Se minha poesia pesa,
Como pedra, que estilhaça, que quebra vidraças...
É porque minha letra é densa!
É reflexo do que dilacera minha alma, inquieta!
Do pouco que não acalma o meu coração!
- É um estar dentro do olho dum furacão...
Se for assim, que assim seja!
Mas veja; se minha poesia é etérea,
Tão leve, que te eleva à estratosfera,
Ao pico do céu...
É porque a minha letra liberta, plana...
Deslizando entre camadas de inconsciências...
Falando direto com tua alma,
Tendo acolhida em teu coração...
É palavra que comunga com as tuas,
Onde se fazem unas...
Se assim não for,
que assim seja um dia!

Edvaldo Rosa
17/01/2011
www.sacpaixao.net
 
 
 
 
MEU POEMA!
Celina Miranda.
 

Eu amo poemas!
Poesias contos acrósticos etc.,
Se eu pudesse eu viveria
Poetando dia e noite sem parar...
 
Só escrevo em total inspiração!
Escrevo com a alma e com o coração
Não comando meus sentimentos
Saio da razão e vivo  só pela emoção...
 
Fico horas incontáveis escrevendo!
Perco a noção do tempo
Esqueço de tudo e viajo sem rumo
Como pássaro em busca de um ninho
Onde possa pousar...
 
Para poder sonhar com  que é possível!
E com o impossível
E realizar todos os meus sonhos
Que foram guardados desde a minha infância...
 
Minha inspiração é como página da vida!
De uma vida bem vivida
Estruturada no embasamento
Do amor além do próprio amor...
 
Esse amor!
Chama-se amor fraternal
Que foi regado com muito amor e carinho
Pelos meus pais...
 
Esse foi o legado que eles me deixaram!
É ter Deus como prioridade na minha vida
Amar meu próximo
Amar o ser humano do jeito que ele é
E nunca como a gente quer...
 
Por isso sou assim!
Amo a todos sem discriminação
Com igualdade
Amizade sincera
 
Respeito tem prioridade
Na minha vida
Fraternidade e solidariedade
Para todos...
 

Celina Miranda.
14/03/11.
SC.
 
 
 
 
Emergir a poesia
Graça Ribeiro
 
 
Talvez seja  esta  embriaguez que nos guia
Sorver a palavra como taça de delírios
Uma vez que o silêncio é palavra vazia

Talvez ao penetrar o âmago da letra
possamos captar a sonoridade das águas
que se expandem no verbo dentro de nós

Talvez ao tecermos o amor que amamos
a ilusão que abriga o sonho sonhado
caiba dentro e um verso de pé quebrado

Talvez a solução para o que tanto angustia
seja parar um pouco para captar o  todo
e fazer emergir no poema a poesia
 
 
 
 
Apenas Poesia...
Sonia Pallone
 
 
"...A dor se cansa
numa lágrima simplificada.
É o contexto de mim.
Confesso meu Deus,
que agora é apenas
um desejo de poesia...
Dormir de mãos dadas.
O mundo girando,
me dizendo que em alguma parte
há coisas que desconheço...
O mistério é uma nave quieta,
frágil e silenciosa
flutuando sobre o mar...
Eis a paz desejada...
Hoje é um dia igual a
todos os outros,
por isso talvez me sinto invadida
por esse acúmulo de vida,
essa ardência leve
como  vapor de água fervente...
Um medo de não estar presente
em todos os pensamentos...
Iluminada pelo clarão do dia,
deixando vazar o sentir,
apenas e sobretudo o
sentir..."
 
 
 

Onde está minha poesia?
Antonia Nery Vanti (Vyrena)
 

Onde está minha poesia?
Voou minha inspiração!
Perdeu-se entre nuvens negras
da desilusão.
Não a encontro mais para minhas rimas.
Meus versos que já eram quebrados
mais quebrados ainda, ficaram.
 
A fantasia, a constante companheira,
que fazia parte de meu dia a dia,
tomou rumo desconhecido.
Desencontram-se os sentimentos,
dispersam-se os pensamentos.
 
O romantismo,
minha marca registrada,
desapareceu repentinamente,
deixando-me com a alma vazia
a vagar sem rumo
nas ondas desse caos
que em mim se instalou.
 
Onde está minha poesia,
receptáculo de meus sonhos,
de minhas ilusões?
Onde está minha poesia,
que escutava em silêncio
minhas lamentações?
 
 
 
 
AH, POESIA
Maria Tomasia
 
 
Ah, poesia, tu és minha alegria
nos meus momentos de tristeza
tu me trazes tanta beleza
E devolve-me os sonhos e a fantasia.
 
Ninguém pode deixar de fantasiar,
sem isso, a vida perde o sentido.
O poema é o meu melhor amigo
Nas horas amargas que deixo de sonhar.
 
Quando por ti me apaixonei,
não pensei que te amaria tanto
e estancaria o meu pranto
que, de tristeza, derramei.
 
Tu estás sempre comigo,
nos piores momentos de dor.
És meu remanso tranquilizador.
Em ti, encontro meu equilíbrio.
 
rj 14/03/11
 
 
 
 
Bendita Poesia
Hilda Persiani
 
Bendigo sempre á você, poesia,
Que trouxe alento á minha solidão,
Motivação á minha vida tão vazia,
Fez-me crer que não estou vivendo em vão;
 
Bendigo sempre á você, poesia,
Que ao me encontrar abandonada e só,
Encheu de riqueza minha mão vazia,
Deu-me ilusão porque de mim teve dó...
 
Bendigo sempre á você, poesia,
Que fez minha vida mudar de repente,
Trazendo de volta tudo o que eu queria;
 
Bendigo sempre á você, poesia,
Por sentir a felicidade novamente
Vendo um raio de luz renascer no poente .
 
Curitiba, 16/10/2010
Hilda Persiani
 
&
 
Para Hilda Persiani, com carinho
(José Antonio Jacob)
 
Também a bendigo, ó doce poesia,
Que nos encanta de sublimidade,
Por florir de amor e de alegria 
O triste rosto da realidade,
 
Da névoa branca e da garoa fria
Que encobre nos meus olhos a saudade
Dessa dor que me persegue noite e dia,
De tudo que se foi na eternidade...
 
Bendigo-lhe as letras no caderno,
Bem sei que é um sorriso de um instante
De um poeta que jurou amor eterno.
 
E envia ao céu um beijo constelado
Para um amor que lhe anda tão distante
E fica eternamente do seu lado.
 

 

14/mar/2010
 
 
 
 
POESIA
Ceres Marylise
 
Quando vou
ao seu encontro,
sobreponho
meus limites 
e sou capaz
de tocar
a imensidão
do infinito.
 
&
 
Ceres Marylise
nos apresenta o poeta Cyro de Mattos,
natural de Itabuna-BA
Contista, poeta, cronista, ensaísta
e autor de literatura infanto-juvenil.
 
Poesia

Minha dor,
Meu Amor,
Ó flor.  

Cyro de Mattos
 
 
 
 
SEDUTORA
Cibele Carvalho
 
 Nem sempre mostro a face,
à vezes, fico oculta;
em outras, uso um disfarce
de ignorante ou de culta.
Posso dar-me a desvendar 
ou ser arredia e matreira,
e ao tentarem me encontrar,
esconder-me bem ligeira.
Sou romântica, atrevida,
de mal ou de bem com a vida.
Desperto mil sensações,
faço brotar emoções;
carrego forte nas cores,
sou boa ao falar de amores.
Tenho toques sensuais,
mas também sou inocente;
posso ser fria demais
ou mesmo cálida e ardente.
Quem me conhece, me quer;
pode ser homem ou mulher,
se aproximou, não sai mais,
deseja-me a cada dia
- sou eu, a sua POESIA.
 
 
 
 
Transpirando Poesia
Roze Alves
 
Como em um passe de mágica
Tu voltastes a minha insossa vida
De poetar tinha perdido a prática
Ao te ver a poesia me volta, cabida
 
Só o bom e alegre passado importava
Nada de lembrar do pranto derramado
Minh'alma rejuvenescia, feliz cantava
Seria mesmo isso, tu havias retornado?
 
Trocamos beijos, uma fala desordenada
Eras o mesmo amor que eu recordava
Ah! Me terás sempre e sempre apaixonada
 
Aqui estou mais uma vez a te escrever
Amado, tua ausência minhas mãos atava
Teu retorno fez minha muda poesia reviver
 
Amanhecer-M
RJ: 15/03/2011
 
 
 
 
 AUDÁCIA DE POETA
Humberto Rodrigues Neto
 
 
Nessa tua fala discreta,
tens razão no teu clamor
quando dizes que um poeta
exige muito do amor.
 
Como amante incorrigível,
é mui justo e natural
que ele exija amor sensível
que fuja em tudo ao trivial.
 
Se há algo que nos deslumbra
e ao proibido nos inclina,
é aquele beijo em penumbra
no cerrar de uma cortina!
 
Quero, em anseio incontido,
do céu levar-te aos confins,
e escutar junto do ouvido
teus nãos simulando sins!
 
Como é bom ouvir o frolo
da saia erguida em viés...
desde a alvura do teu colo
ao rosado dos teus pés!
 
Deixa, amor, que estas mãos sondem
tuas mornas e ocultas sendas
para ver que encantos escondem
as tuas sedas e as tuas rendas!
 
Que alcancem nossas carícias
a loucura mais insana,
desfrutando das delícias
que nos levam ao nirvana!
 
Perdoa meu modo de ser
e alguma audácia indiscreta,
pois não consigo conter
a minh’alma de poeta!
 
 
 
 
O poeta é especial.
SussuLuz
 
 O poeta é um ser regido por uma  força maior.
É sensível  e especial,  não se limita a pensar seus pensamentos,
sonhar seus sonhos, pois isso não lhe basta.
Tampouco não quer esconder suas idéias
ricas e suculentas para as saborear sozinho.
Ele quer algo mais, algo que o mantenha vivo.
E o que faz o poeta vivo, é dar vida,
expressão, forma e substância às suas idéias.
Suas idéias surgem a partir de algo já existente,
 algo que pertença ao mundo inteiro, e que de alguma maneira,
 sob a égide da emoção, ele possa  transformar
 e devolver ao universo,  sem danificar sua essência.
 
Botucatu, 15/03/2011
 
 
 
 
Como eu gosto de escrever...
Katarina Madeira
 
Como eu gosto de escrever...
E passar para o papel
o que penso, o que imagino...
o que sinto e o que anseio...
Deixar fluir as palavras
que na tinta se transportam
fazendo deslizar a caneta
que com amor faz rascunhos.
 
Como eu gosto de escrever...
O prazer que isso me dá...
Sem dar conta uma palavra,
uma frase, um pensamento
surge do nada esvoaçando
na urgência a transbordar
do que a alma tem para dar.
 
E são apenas esboços
que a carvão são desenhados
deixando fluir sentimentos
para sempre inacabados...
Sonhos, emoções
alegrias, desilusões
choros e sorrisos largos
duvidas e convulsões...
 
Ah! Como eu gosto de escrever!
Sem me importar em saber
Se algum dia alguém vai ler
Eu escrevo só por escrever!
 
 
 
 
 
Sou Poeta...
* Falcão S.R *



Sou guardião de sonho e esperança
Mensageiro de amor e desilusões
Levando comigo a fé que tudo alcança
Vou colorindo desejos e paixões.

Sou vidraça sem grade de proteção
Alma inquieta que não pára um segundo
Fazendo amigos, desafetos ou irmãos
Criando versos que falam ao coração.

Sou a tristeza de jardim abandonado
Avalanche de vulcão abrasador
Serenidade de lago azul iluminado
Ternura que envolve um grande amor.

Sou a revolta contra toda injustiça
Bravo guerreiro que não teme lutar
Minha arma indestrutível é a escrita
Que não fenece e ninguém pode calar.

Sou lamento dos pobres excluídos
Desespero do inocente encarcerado
Na estupidez das guerras sou o grito
Dos que sofrem nas mãos dos desalmados.

Sou pesadelo do corrupto enganador
Que insensível subtrai a Pátria querida
Em seu destino sou as trevas e o terror
O abismo onde termina sua vida.

 Sou a lágrima que antecede a despedida
Abraço terno no regresso tão esperado
Defensor da natureza cruelmente agredida
A voz que aponta em versos o pecado.

Sou chama que aquece a noite fria
Despertando luxúria, desejo e paixão
Erotismo que supera timidez e covardia
Vinho que embriaga e dispara o coração.

 Sou mar sereno em noites enluaradas
Raios de sol em tardes lindas de verão
Folhas de outono dourando as estradas
Desejo de paz na mais sublime oração.

Sou peixe agonizando em rio poluído
Pássaro fugindo da floresta incendiada
Mensagem que serena o coração aflito
Linda seresta de uma alma apaixonada.

 Sou história que o tempo não pode apagar
Voz que clama pela luz que ilumina o profeta
Alma que viaja além das estrelas e o luar
Lirismo da poesia em festa. Sou Poeta...
 
 
Rio de Janeiro, 19 de outubro de 2007
 
 
 
 
 Alma da Poesia, Existência...!
Véra Lúcia de Campos Maggioni®
Vera&Poesia®

A plena Poesia no coração transcorre!
O poema é o que a mente discorre...,
   Que haja a Poesia adjunta-luz presente,
    Em olhos internos de vê-la em presente!


   Poesia é sintonia, não matéria nem biografia,
Em percepção e interpretação o ser vivencia
A Poesia que está na sua própria existência;
    - O Ser é ao Universo indizível universo, -
      Inefável Ente!


    Na Alma da gente há perene Poesia! -
Em ressonância, conexão e energia
A Alma da Poesia é o que se sente
  No âmago da Poesia, é a excelência
    Que se pressente no ânimo da gente,
    Intraduzível - singular como o Amor,
    Sendo o Tudo, ao todo do momento!

Curvo-me: - Flor de Lótus!

Véra Lúcia de Campos Maggioni®
Vera&Poesia®  
Em 04 de fevereiro de 2011.
 
 
 
 
 
Participações Especiais:
 
 
O poeta pede a seu amor que lhe escreva
Federico Garcia Lorca
 

Amor de minhas entranhas, morte viva,
em vão espero tua palavra escrita
e penso, com a flor que se murcha,
que se vivo sem mim quero perder-te.
O ar é imortal. A pedra inerte
nem conhece a sombra nem a evita.
Coração interior não necessita
o mel gelado que a lua verte.

Porém eu te sofri. Rasguei-me as veias,
tigre e pomba, sobre tua cintura
em duelo de mordiscos e açucenas.
Enche, pois, de palavras minha loucura
ou deixa-me viver em minha serena
noite da alma para sempre escura.
 
 
 
 
"É fácil trocar as palavras,
Difícil é interpretar os silêncios!
É fácil caminhar lado a lado,
Difícil é saber como se encontrar!
É fácil beijar o rosto,
Difícil é chegar ao coração!
É fácil apertar as mãos,
Difícil é reter o calor!
É fácil sentir o amor,
Difícil é conter sua torrente!

Como é por dentro outra pessoa?
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.

Nada sabemos da alma
Senão da nossa;
As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição
De qualquer semelhança no fundo."
 
Fernando Pessoa
 
 
 
 
Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Florbela Espanca

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

 
 
 
 
Participaram desta Homenagem:
 
LuliCoutinho/ MarlyCaldas/ MariaLuizaBonini/ MariaTherezaNeves/AuberFioravanteJR/
FranciscoCoimbra/ NidiaVargasPotsch/ JoséErnestoFerraresso/ Eliana(shir)Ellinger/ LúcioReis/
 NaidaTerra/ SádeFreitas/ MaryTrujillo/ LuizaPorto/ AnnaPeralva/ MercíliaRodrigues/
TarcísioR.Costa/ VanderliGranatto/ EdvaldoRosa/ CelinaMiranda/ GraçaRibeiro/ SoniaPallone/
AntoniaNeryVanti(Vyrena)/ MariaTomasia/ HildaPersiani & JoséAntonioJacob/
CeresMarylise & CyrodeMattos/ CibeleCarvalho/ RozeAlves/ Humberto-Poeta/ SussuLuz/
KatarinaMadeira/ FalcãoS.R/ Véra Lúcia de Campos Maggioni®
 
 
 
Participações Especiais:
 
Federico Garcia Lorca
Fernando Pessoa
Florbela Espanca
 
 
 
Coordenação: LuliCoutinho
Arte e Formatação: JoiceGuimarães
 
 
 
 
 
Tutorial: Maria José Prado
Tube: Luz Cristina
Wav: Neil Diamond & Barbra Streisand - You Don't Bring Me Flowers
Misted: JoiceGuimarães