LuliCoutinho & Luiz Poeta

Insônia...
LuliCoutinho


Tens a cor do ardor!
Rubro tom, esplendor
Verbo amor! Teus poros... sinto os aromas
Exalando a mim, odor de ostras.

Que delirante insônia me persegue!
Roupas jogadas, abandonadas no chão
Sós... nutridas pelas esperanças entregues
Cama fria na ânsia desta paixão.

O corpo suado, sustido pelos sonhos
Maligna noite, tão extensa!
Deixa olhos de carícia abatidos
A espera da manhã, a carne tensa.

Sombras silenciosas, a respiração, teu cheiro!
Sinto-os quase presentes
E nesta aparência, há um pesar e a certeza,
Do amargor ao perceber na manhã que estás ausente.

10/08/05

Desvanessência
Luiz Poeta ( sbacem-rj )
Luiz Gilberto de Barros


Às 19 h e 47 min do dia 13 de julho de 2006,
especialmente para a arte da minha amável irmã
de sentimentos


Quando te ausentaste tão definitiva,
Uma chama viva ainda iluminava
Meus olhos cerrados, sem perspectiva
De te amar, amiga... ah... como eu te amava...

E fitando o nada, tu me colorias
De formas esguias me complementando,
Mas cada carinho que tu me fazias
A dor diluía e ias... te afastando...

Agora a saudade chega na lembrança
E a esperança... frágil... desvanece
Como se teu jeito doce de criança
Morresse na dança do amor... que envelhece.

E esse amor que finda, deixa alguns retalhos
Presos nos atalhos do leito vazio,
Mas, na pele nua faltam agasalhos
E os anseios... falhos... perdem-se... no frio.
 

Mid: Memories- Ginger Haydon


Publicado em 13/07/2006 às 22h18


 

Voltar