elisasantos


Dessas sombras que habito, evapora a vida
grita a morte e cantam tristes ondas  altas
 que insistem em traições à fé e ao sorriso.


 O espelho d'água...deixa as lágrimas em destaque
 e na tela, a viagem de joelhos, a um cenário
onde cacos rangem em choro.


Por não compor sequer esboço
do vitral iluminado que vi ontem no espelho,
 dessas sombras, o futuro persistente
 pinça sonhos em minha mente.


 O presente reticente venda os olhos e o vento sente
levar as possibilidades a um mar de fé e verdade
quando empreendo viagem e chego
 ao centro de mim.

elisasantos
Publicado no Recanto das Letras em 16/10/2009
Código do texto: T1869000

Formatado carinhosamente
por Lucia Trigueiro

 

VOLTAR