BEIJA-MÃO
Francisco Coimbra


deixa que também eu me apodere um pouco de você
vou experimentar dar expressão poética ao meu desejo
fazendo das frases versos enquanto conversamos
sobre coisas tão simples da vida como toda a variedade
de leituras que podemos fazer de todas as coisas

escrita em estância como uma mancha breve colorindo
as palavras para um voo da ave da poesia que poisa
para fazer postura do ovo onde descobrimos de novo
ao escrever novos poemas que mais não são que voos
libertados pela imaginação da leitura onde somos Ícaro

quando ainda no solo sonhava erguer-se e voar

vou deixar o poema entregue empregue na sua arte
de compor uma música com notações para nossa voz
mergulhando na Língua substantiva até raiar o absoluto
que se encontra soluto na consciência mais profunda
do objecto das palavras poder ser linguagem das coisas

então o que estarei fazendo é a pegar nas tuas mãos
levando-as aos lábios para poder beijar até às lágrimas
a essência da flor que me inspira com esta inspiração
de poder imaginar num beija-mão liberdade efusiva
numa introdução à prosa cuja necessidade dispensava

quando ainda no solo faço tan-tan até ficar “tan-tan”

solista deserdado da sorte batuco como batuque
um teclado que não está ao teu lado mas me envia
a mim ao meu desejo ao meu disparate até M_arte
desejando V_énus desnuda a irradiar a luz no céu
como Estrela da Madrugada no raiar da aurora

24/10/08
Ponta Delgada - Açores
Portugal







Tube - Sussuluz
Wav - 3ª Sinfonia Fa Maior ( 3º Mov ) -
Brahms - adaptado por Waldo de los Rios
Arte e Formatação - JoiceGuimarães
Tutorial:
 
 
 
 
Voltar