Quando as Letras se Abraçam
LuliCoutinho



Quando nossas letras se abraçam
Como os corpos que se enlaçam
Recrio-te na minha imaginação
Navego o mistério dessa emoção

Quando noto que estás bem perto
E o meu coração acelera esperto
Na fortuna do cheiro almiscarado
Percebo meu corpo exalar pecado

Surgem doces lágrimas de paixão
Arrepios incitam a minha ilusão
E quando em ti se reflete o amor
Broto em minh’alma brilhos e cor

Sempre será o meu poeta amado
No meu coração o segredo calado
O perfume da flor do meu jardim
O silencioso amor vivido em mim.

15/07/08

Quando as Letras se Abraçam
Teu peito encosta-se ao meu
LuliCoutinho
FranciscoCoimbra



Quando nossas letras se abraçam
teu peito encosta-se ao meu
Como os corpos que se enlaçam
fala como uma respiração
Recrio-te na minha imaginação
somos cada um o que se leu
Navego o mistério dessa emoção
ritmo escrevendo pulsação



Quando noto que estás bem perto
rápido e leve vem o desejo
E o meu coração acelera esperto
ergue-se a bradar aos céus
Na fortuna do cheiro almiscarado
palavras para serem beijo?
Percebo meu corpo exalar pecado
os pelos da pele são réus!...



Surgem doces lágrimas de paixão
espio todos meus pecados
Arrepios incitam a minha ilusão
mas invade-me a fantasia
E quando em ti se reflete o amor
com ela eu jogo os dados
Broto em minh’alma brilhos e cor
e aspiro fundo da maresia



Sempre será o meu poeta amado
uma ilha que se faz ao mar
No meu coração o segredo calado
uma vela em terra bandeira
O perfume da flor do meu jardim
uma palavra de todas amar
O silencioso amor vivido em mim.
uma sorte viva e verdadeira!


15/07/08
LuliCoutinho


nenhuma quadra enquadra
tudo o que quero escrever,
sobre esta gravo em pedra
Amor, sem acabar do dizer

17/07/08
FranciscoCombra
 

 

 

Arte e Formatação: Elisasantos
Tutorial:

 

Voltar