VARIAÇÕES
Francisco Coimbra



pouco me importa onde seja a porta
se me abres a janela no rés-do-chão
para entrar clandestino sem destino
na nossa vida feita toda de poesia

fantasia não nos falta e o prazer
sempre o queremos para ser fonte
inesgotável onde tudo renovamos
com as palavras de sempre sempre

outras e estas como versos estes
onde mutuamente nos escrevemos




Publicado no Recanto das Letras em 02/07/2007

Arte e Formatação: JoiceGuimarães
Imagem: Dreaming
Wav: Myriam Abel - Baby can I hold you

 

Voltar