Adeus, Alma Sem Cor!

LuliCoutinho

 

 

Conheço alguns medos

Insistem num outrora me deter

Percorrem pensamentos,

Como tragos de um vinho sorver

 

Atalho sombrio, fundo de rio

Sem vida, luz ou paisagem

Quando a alma sente o frio,

Voa e busca cores na margem

 

Ela se parte aos pedaços

Entristece noites blues tão belas!

Abstrai do sonho raros traços

Nos olhos do amor às sentinelas

 

Dizei-me, alma minha,

Quais murmúrios os segreda?

Fico a pensar no mal quando te calas

Se falares, tens o brilho rutilante da dor

 

Saiam os medos, incertezas... Vago-os!

Num florir, danças... Pensamentos traga-os.

Num arco-íris de cores sem lamentos,

Ébria de amor...

Adeus, alma sem cor!

 

17/04/10

São Paulo - SP

 

 

 

 
CriArt AnnaPaes
 
 
 
VOLTAR