Bailarina Encantada

LuliCoutinho



E como um cisne bailava...

Imagens formadas na mente

E em meio à luz que iluminava

Rodopiou célere com seu amante.



Imaginados traços naquele salão

O doce par em valsa, os abraços...

Sentindo os pés saírem do chão

Os rodopios, a menina, os laços.



Lembrou-se da Primavera...

Das flores e daquela espera

A rosa enfeitando os cabelos

A quimera, o amor, os apelos.



Dançou, bailou como nunca!

Cantaram sua alma os bandolins

Lembrou-se dos beijos na nuca

Viu-se ao redor de querubins.



Sentiu-se a estrela iluminada

A bailarina do amor encantada

Dançou rodopiou, enfim chorou!

Embriagada, de repente acordou!



27/04/08

 

 

 



Arte e Formatação:  Sapeka

Mid: Bandolins - Osvaldo Montenegro

Poema feito especialmente
para esta arte.

 

 

 

 

Voltar