Minhas Dores



Calam-se minhas dores
Guardadas em minha essência
O coração sente a ausência
De um colo acolhedor.


A falta do abraço forte
O beijo que deseja boa sorte
Um carinho doce e amado
Para se ter no peito guardado.


Nada sabes da fragilidade
Sentida nesses momentos
É solidão de velhas madrugadas
Pisadas em flores desfolhadas.


Uma luz que desfalece traços
Um gesto que esvaece abraços
E o apelo por não mais sofrer
Segredo meu ninguém perceber.


Sabes que morro aos poucos
Talvez não! Será que sabes?
A mulher que existe aqui...
Que vive o sorriso para ti?


Talvez se gritasse ao mundo
Que me cobra a todo segundo
A beleza do sonho que sonho
Faze-lo real, transforma-lo jardim?



04/09/07


LuliCoutinho
 
 
 
arte criada a partir de tubes de Marcio C.

 

 

VOLTAR