Amor Novamente
 
Precipitam-se as águas,
Certas águas
Que me umedecem de amor
 
Minha paixão desmoronada
Tão delicada indo ao nada
Inundada de torpor
 
Sensitiva lembrança viva
Desventurada e solitária chora
Tragando distancias apagadas e dor
 
Ah, maligna sorte!
Chega a uma nova solidão
Tem um som lúgubre de amargor
 
 Sombra que não me alenta
Espaço que de repente me consome
E me refaz em amor novamente
 

05/01/11
São Paulo - SP
 
Publicado no Recanto das Letras em 05/01/2011
Código do texto: T2711023
 
 
 
Tube Deniseworisch
Tubes paysage peint Tinnad (15)
 
 
 
 
VOLTAR