Segredos da Alma
 
LuliCoutinho



Trago nos olhos
A saudade febril dos sonhos
A ausência constante da cor
Na cantiga presente no amor

Ouço dos lábios da lua
Palavras duras e cruas
Minha boca hoje tão nua
Destila o fel da desventura

Meu coração tão vazio
Num aperto total desvario
Um opaco cristal sem valor
Em pedra lapidada na dor

Meus sonhos sem enredos
Diluem no ar e entre os dedos
Persiste a lágrima que escorre
Num rosto exangue que morre

Esta flor ressequida
Que hoje se vinga sensitiva
Jaz sem guarida esquecida
Segredos da alma doída!

29/11/09
São Paulo - SP

 
 
 
Publicado no Recanto das Letras em 28/12/2009
Código do texto: T1999752
 
 
 
Tube Guismo
Jpg natureza