Sonhos de Amargura
 
Luli Coutinho
 
Quantos sonhos ainda terão,
Como alimento a minha alma,
Se pétalas de flores caem ao chão?
 
Sonhos vagos, absortos, frios!
Enchem-me a dor, os desvarios
Em meu peito pobre angustiado
 
Desolado e triste o querubim
Deita suas asas cansadas
À lágrima triste derramada
 
Ausente da música e cor
Chora o silencio, o desamor
Num momento de dor
 
Os meus sonhos de ventura,
Perderam-se em amargura.
Quantos sonhos ainda terão?
Não os quero mais em mim!
 
22/11/09
São Paulo - SP
 
 
 
 
 
 
Tubes Nikita
Montagem Photo Shop Mara Pontes
 
 

 
 
 
 
 
VOLTAR