TEMPO INCLEMENTE
Marcos Sergio T. Lopes



Olho para o relógio em minha frente
Fecho os olhos
Enquanto grossas lágrimas
Lavam meu rosto.
É o tempo não me dando tempo
Fazendo esgotar os sonhos
Crucificando-me...
Hoje, cada minuto se esvai
E, com ele, um pedaço de mim.
Ah! Tempo
Insensato tirano
Que tira de mim; a cada instante
Um tanto de ti
Deixando-me num torpor infinito!
Ah! Tempo
Que no silêncio
Dá-me apenas e tão somente
O desvario da agonia
Dessa imensa melancolia.
Rasga meu ser sem dó
Cospe em todos os meus momentos!
Ah! Tempo
Que me mostra apenas
A escuridão da tua face
E me deixa torpe!
Fico na angustia dessa contagem incessante
Faço-me dolente
Sem escolhas...
...Perdendo um pouco mais de mim a cada instante.
Até o dia,
Que você, tempo
Chegará com a boca escancarada
E num silêncio mudo
Trará para mim a noticia
Da tua despedida.
E eu: estático
Irei embora contigo
Sem adeus...
Pois, tempo
Não dá tempo pra isso.



Marcos Sergio T. Lopes
30/11/2006 – 20hrs
 



Arte e Formatação: Lia Reis
Imagens: Hanni, JRM, Dream12 e Patries
Música Mon Dieu

 

Voltar