Depois da chuva
Maria Regina




Chovia eu ontem ao vir perderem-se valores,
com lágrimas de tristeza infinita, em ir além
do que podem meus olhos ver os horrores,
na lembrança vaga de saber-se o que se foi,
nos além-mundos e aquém-pontes,
além do que, ao redor, os olhos
possam ver impotentes.




Depois da chuva, nas poças que a alma lava,
gotículas transmutadas de tristezas em alegrias saltitantes,
que o radiante vento traz como plumas dançantes,
há vidas que em flores brotam, sonhos que voam
em esperanças intensas num mais puro ar, arrancando
sorrisos d'almas em relâmpagos de verdades puerís,
moram olhares de amores em arco-iris.




Quisera depois da chuva, toda a dor erradicada fosse,
todo o mal ilidido, mais fresca a brisa retornasse,
todos os amores florescessem, e, inteiros,
como cadentes estrelas, iluminassem noss'alma
de Esperança, ressurgindo nos olhos nossos,
querentes da Paz plena, jamais, deixando-me em vida,
morrer arfante, sem o sublime ardente e cálido amor,
qual Luz do Sol e todo seu esplendor.




Depois da chuva, veementemente desejo,
que desperte-se o sono do mundo,
retornando à sua real lucidez, em laços
d'almas iluminadas em abraços,
quais milhares de astros tecidos em fios
d'ouro em entrelaços.







 

 


Tube: Colombe
Wav: My HeartIs Yours - Ernesto Cortazar
Arte e Formatação: Elisasantos
Tutorial:

 

 

Voltar