Sala das Estátuas
Eliane Triska
 
 
 
Sopram nevascas, e todo o tempo encolhe
C'o vento duro a barbarizar os polos;
Mal se deita à aldeia, lhe dá a prole
E as enrosca ao nu do cárcere dos solos.
 
 
São multidões... Vêm de um tempo desigual,
E a massa amorfa se faz passar nervosa...
Como se sente uma estufa natural
Onde nunca mais se viu nascer a rosa?
 
 
 
As geleiras encalharam comportadas.
Ah, nevasca sem piedade por que feres?
Tão brancas!- Pobres estátuas pré-moldadas!
 
 
Insurgentes das antiguidades frias,
Que bem-dizem se as olharem... São mulheres
Exiladas decorando galerias!
 
 
Canoas, fevereiro 2011/RS
 
 
 

 
 
 
Créditos
Poesia
Eliane Couto Triska
 
 
 
 
 

 

 

VOLTAR