SER POETA
Luiza Porto
 
Ser poeta sofrimento doce,
ser me de vrios filhos,
Que tentamos proteger,
Guardando em bas do tempo.

De repente ficam adolescentes,
Saem as vezes, mas voltam sempre
Quando adultos ficam,
Perdemos o poder, sobre eles,
Se espalham pelo mundo

Foge ao meu controle,
Quero de volta, esconder, proteger,
Mas se foram, ganharam o mundo
Perdi em alguns, minha identidade,
Passaram a ser de todos....

 

 

 

 

 

VOLTAR