Nunca devemos deixar de sonhar
para nossa vida alegrar;
mas que sejam sonhos de amor,
em tempo algum de tristeza e dor.

Sonhemos com o verdume da relva
ou com as frondosas árvores da selva;
com o brilho argênteo da lua
 que para os amantes se põe nua.

Não importa o tipo  dos nossos sonhos,
 desde que não  sejam tristonhos.
Melhor será se forem coloridos
e com sentimentos nunca vividos.

Continuemos sempre a sonhar
para não deixar nossa vida soçobrar.
Mesmo que sonhemos acordados,
sempre seremos pelos sonhos acalentados.
 

 
 
 
 
Arte e Formatação:
AugustaBS
 
 
 
 
 
 
 
 
VOLTAR